Faz aproximadamente um ano que um grupo de agricultores familiares do município de Cantagalo, no Vale do Rio Doce, foi obrigado a encarar uma difícil situação com a venda dos seus produtos. Com o surgimento da pandemia da covid-19, a feira livre da cidade foi suspensa. Além de perderem este importante ponto de comercialização, as escolas também foram fechadas. Sem as aulas presenciais, quem vendia itens de alimentação para a merenda escolar também ficou prejudicado.

Diante deste problema, foi preciso criar soluções rápidas para manter a renda dos agricultores e, ao mesmo tempo, garantir a oferta de alimentos para a população do município. “A renda das famílias já começava a diminuir devido ao bloqueio dos canais cotidianos de comercialização. Por isso, tomando todos os cuidados necessários, visitei cada uma das propriedades para avaliar como solucionar este problema”, lembra Odilma Martins Costa e Silva, técnica da Emater-MG, empresa vinculada à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), no município.

Ela conta que a solução encontrada foi utilizar ferramentas digitais para a comercialização e que todos os atores envolvidos no processo precisaram se adaptar à nova realidade “Os agricultores mais velhos sentiam dificuldade com a tecnologia. Porém, todas as famílias têm jovens que lidam muito bem com ela. Além disso, existe na cidade uma empresa capaz de levar internet a quase todo território municipal. Com esses dados nas mãos, surgiu a ideia de criar uma Feira Livre Virtual e ela se iniciaria com um grupo de WhatsApp”, relata a técnica.

Em pouco tempo, todos os integrantes da Associação dos Feirantes de Cantagalo já estavam participando do grupo, além de aproximadamente 80 clientes. A Emater-MG é a administradora do grupo. São postadas fotos das propriedades, dos produtos, os preços e o número de contato do agricultor. O cliente interessado entra em contato com o agricultor para a negociação. São ofertadas hortaliças, frutas, quitandas, pimenta e corantes.

Não demorou muito para as vendas on-line decolarem, com a ajuda também de uma página da feira no Facebook para divulgação. As entregas começaram a ser feitas aos sábados, com apoio da prefeitura. Mas, com o aumento da procura, elas foram realizadas em outros dias da semana. Atualmente a Feira Livre Virtual de Cantagalo conta com 12 agricultores e cinco artesãos.

Aumento das vendas

Odilma Martins diz que as vendas atuais dos agricultores superam o volume de quando existia apenas a feira presencial. Alguns recebem encomendas de clientes de outros municípios.

Um exemplo é a dona Geralda Pereira Dias. Ela conta com a ajuda da nora, principalmente no transporte das encomendas, e teve um aumento de aproximadamente 100% nas vendas. Os pedidos pelo WhatsApp são feitos pelos clientes durante a semana e as entregas são nas manhãs de sábado.

“Essa experiência de feira on-line para mim foi muito boa. A gente vende hortaliças, mandioca, limão. Os pedidos e a freguesia só vão aumentando. Tenho ajuda da Emater e só tenho a agradecer”, diz dona Geralda.

Na avaliação da técnica da Emater-MG, as vendas on-line vieram para ficar, mesmo quando a realização da feira presencial for novamente permitida. “Eles estão ansiosos para voltar para a feira, porque tem toda aquela relação presencial com os consumidores. Mas acredito que ninguém vai parar de vender on-line. Eles estão gostando muito e está tendo bom resultado”, afirma.

Para acessar a página da Associação dos Feirantes de Cantagalo no Facebook, clique AQUI.

Marcelo Varella - Ascom/Emater-MG

Fotos: Divulgação/Emater-MG

Siga a Secretaria de Agricultura nas redes sociais: Instagram - Youtube - Twitter - Facebook

Acompanhe as notícias do Estado pela Agência Minas