Na última sexta-feira (11) o vice-prefeito de Uberaba (MG) e colaborador licenciado da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), João Gilberto Riposatti, faleceu vítima da Covid-19. Betinho, como era popularmente conhecido, foi contratado pela Epamig em janeiro de 1977 e dedicou parte do seu trabalho ao apoio às pesquisas em entomologia na unidade da empresa do município do Triângulo Mineiro.  

A pesquisadora da Epamig, Madelaine Venzon, conviveu com Betinho no início da sua carreira profissional na empresa. Ela relata com emoção os bons momentos frutos da parceria. 

“Quando fui contratada pela empresa, em 1992, fui trabalhar na Unidade em Uberaba e tive o privilégio de tê-lo como técnico de laboratório. Com o mestrado recentemente concluído, ainda sem experiência profissional, aprendi muito com o Betinho. Um verdadeiro guardião do laboratório de entomologia durante o período em que não tivemos um pesquisador à frente dos trabalhos. Possuía senso crítico e espírito observador, tão importantes para as pesquisas”, lembra a pesquisadora.

Ainda segundo ela, havia muita troca, muito aprendizado e juntos eles conduziram vários projetos de pesquisa importantes para a região, especialmente com controle biológico de pragas.”Os resultados desses trabalhos foram publicados, tendo o Betinho como coautor. Juntos fomos pioneiros na implantação do controle biológico de percevejos da soja na região. Mesmo após minha transferência para a Epamig de Viçosa, continuamos a desenvolver parcerias na agroecologia, mais recentemente para Farmácia Viva, projeto implantado por ele em Uberaba. Perda inestimável, pessoa honesta, caridosa, profissional exemplar. Descanse em paz, amigo”, lamentou Venzon.

O engenheiro agrônomo e doutor em entomologia, João Alfredo Marinho, foi um dos estagiários que conviveu diretamente com Betinho na unidade de Uberaba, em 1995. João, atual gerente de biotecnologia da Bayer, também relembra com saudade da parceria com o amigo.

“A Epamig foi a minha primeira experiência profissional fora da faculdade e onde tive a sorte de conhecer o Betinho. Ele esteve presente em todos projetos em que me envolvi naquele período e me mostrou o valor da colaboração mais participativa entre as pessoas. Era uma pessoa que não media esforços para apoiar, aprender e compartilhar suas experiências”, detalhou.

O presidente da Emater-MG, Gustavo Laterza, conviveu com Betinho desde a graduação em agronomia em Uberaba. Segundo ele, nesse momento de luto, fica a saudade de uma pessoa dinâmica, empreendedora, ética, um profissional comprometido e pessoa humana preocupada com o desenvolvimento sustentável da comunidade.  

"No laboratório de entomologia da Epamig, onde tive uma temporada de estágio gratificante, tive a oportunidade de vivenciar as atitudes de Betinho e sua personalidade em defender as causas rurais. Ele sempre foi um grande incentivador de boas iniciativas em prol da comunidade e também um profissional dedicado nas atividades de pesquisa em parceria com a pesquisadora Madelaine Venzon. No laboratório, tivemos várias experiências marcantes, entre elas o controle biológico de pragas e a multiplicação e a disponibilização do besouro africano para o controle biológico da praga mosca dos chifres”, pontua o presidente da Emater-MG.

Ainda segundo Laterza, como agente público, Betinho trabalhava intensamente para fortalecer e divulgar os serviços da pesquisa agropecuária da Epamig e da assistência técnica e extensão rural da Emater-MG. “Além disso, tinha várias iniciativas pioneiras em desenvolvimento, como o projeto Farmácia Viva e Horta Urbana. Betinho era pacificador, sempre oferecendo ajuda para resolver os problemas com diplomacia e diálogo. Durante nossa passagem pelo curso de agronomia da FAZU, nós dois, juntamente a outros colegas, unimos forças em prol da estruturação e fortalecimento do Diretório Acadêmico. Bons exemplos eram uma rotina de vida do Betinho. Sentimos orgulho e honra em tê-lo tido como amigo, bem como o privilégio de conhecer o seu trabalho com devoção e amor à nossa querida Uberaba. A sua passagem entre nós será marcada como uma referência de exemplo positivo de um digno cidadão de bem. Amigo, fique com Deus”, fainalizou.

A prefeitura de Uberaba decretou luto oficial de três dias no município. O velório e o enterro de Betinho seguiram os protocolos exigidos pela pandemia de Covid-19.

Epamig/Ascom

Foto: Prefeitura de Uberaba/Divulgação

Na última sexta-feira (11) o vice-prefeito de Uberaba (MG) e colaborador licenciado da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), João Gilberto Riposatti, faleceu vítima da Covid-19. Betinho, como era popularmente conhecido, foi contratado pela Epamig em janeiro de 1977 e dedicou parte do seu trabalho ao apoio às pesquisas em entomologia na unidade da empresa do município do Triângulo Mineiro.  

 

A pesquisadora da Epamig, Madelaine Venzon, conviveu com Betinho no início da sua carreira profissional na empresa. Ela relata com emoção os bons momentos frutos da parceria. 

 

“Quando fui contratada pela empresa, em 1992, fui trabalhar na Unidade em Uberaba e tive o privilégio de tê-lo como técnico de laboratório. Com o mestrado recentemente concluído, ainda sem experiência profissional, aprendi muito com o Betinho. Um verdadeiro guardião do laboratório de entomologia durante o período em que não tivemos um pesquisador à frente dos trabalhos. Possuía senso crítico e espírito observador, tão importantes para as pesquisas”, lembra a pesquisadora.

 

Ainda segundo ela, havia muita troca, muito aprendizado e juntos eles conduziram vários projetos de pesquisa importantes para a região, especialmente com controle biológico de pragas.”Os resultados desses trabalhos foram publicadostendo o Betinho como coautor. Juntos fomos pioneiros na implantação do controle biológico de percevejos da soja na região. Mesmo após minha transferência para a Epamig de Viçosa, continuamos a desenvolver parcerias na agroecologia, mais recentemente para Farmácia Viva, projeto implantado por ele em Uberaba. Perda inestimável, pessoa honesta, caridosa, profissional exemplar. Descanse em paz, amigo”, lamentou Venzon.

 

O engenheiro agrônomo e doutor em entomologia, João Alfredo Marinho, foi um dos estagiários que conviveu diretamente com Betinho na unidade de Uberaba, em 1995. João, atual gerente de biotecnologia da Bayer, também relembra com saudade da parceria com o amigo.

 

“A Epamig foi a minha primeira experiência profissional fora da faculdade e onde tive a sorte de conhecer o Betinho. Ele esteve presente em todos projetos em que me envolvi naquele período e me mostrou o valor da colaboração mais participativa entre as pessoas. Era uma pessoa que não media esforços para apoiar, aprender e compartilhar suas experiências”, detalhou.

 

O presidente da Emater-MG, Gustavo Laterza, conviveu com Betinho desde a graduação em agronomia em Uberaba. Segundo ele, nesse momento de luto, fica a saudade de uma pessoa dinâmica, empreendedora, ética, um profissional comprometido e pessoa humana preocupada com o desenvolvimento sustentável da comunidade. 

 

"No laboratório de entomologia da Epamig, onde tive uma temporada de estágio gratificante, tive a oportunidade de vivenciar as atitudes de Betinho e sua personalidade em defender as causas rurais. Ele sempre foi um grande incentivador de boas iniciativas em prol da comunidade e também um profissional dedicado nas atividades de pesquisa em parceria com a pesquisadora Madelaine Venzon. No laboratório, tivemos várias experiências marcantes, entre elas o controle biológico de pragas e a multiplicação e a disponibilização do besouro africano para o controle biológico da praga mosca dos chifres”, pontua o presidente da Emater-MG.

 

Ainda segundo Laterza, como agente público, Betinho trabalhava intensamente para fortalecer e divulgar os serviços da pesquisa agropecuária da Epamig e da assistência técnica e extensão rural da Emater-MG. “Além disso, tinha várias iniciativas pioneiras em desenvolvimento, como o projeto Farmácia Viva e Horta Urbana. Betinho era pacificador, sempre oferecendo ajuda para resolver os problemas com diplomacia e diálogo. Durante nossa passagem pelo curso de agronomia da FAZU, nós dois, juntamente a outros colegas, unimos forças em prol da estruturação e fortalecimento do Diretório Acadêmico. Bons exemplos eram uma rotina de vida do Betinho. Sentimos orgulho e honra em tê-lo tido como amigo, bem como o privilégio de conhecer o seu trabalho com devoção e amor à nossa querida Uberaba. A sua passagem entre nós será marcada como uma referência de exemplo positivo de um digno cidadão de bem. Amigo, fique com Deus”, fainalizou.

 

A prefeitura de Uberaba decretou luto oficial de três dias no município. O velório e o enterro de Betinho seguiram os protocolos exigidos pela pandemia de Covid-19.

 

Epamig/Ascom

Foto: Epamig/Divulgação